segunda-feira, 22 de junho de 2015

Refletindo a recidiva


Então. Tem horas que a gente precisa refletir.

Como estou lidando com tudo isso?

Confesso que em certos momentos, pensei: “Não acredito! Essa merda de novo! Sou eu mesma? Sério? Câncer? De novo? Ãh?”. Deu-me certa aflição de pensar em viver tudo de novo.  Questões como será que meu cabelo vai cair, se vou engordar, se vou ficar “louca” de novo, entre outras, ficam rondando a nossa mente por um bom tempo.
Como marinheira de primeira viagem, em certos momentos tive medo do que poderia enfrentar, mesmo sem saber ao certo o que viria pela frente. Agora, no segundo diagnóstico, cheguei a ter pena de mim mesma e o medo aumentou, pois dessa vez, sabia exatamente com “quem” estava lidando. Nessa nova jornada bateu um frio na barriga. Desde que me descobri doente pela primeira vez, leio, estudo, tento saber ao máximo tudo relacionado ao câncer, gosto de estar bem informada e acaba que nos tornamos quase “especialistas” no assunto. Hoje já conheço a doença, já convivi com ela, já conheço o meu corpo, sei os meus limites, aprendi (ou não..rs) a lidar com meu psicológico e a respeitá-lo. Tento ser calma, fazer tudo no meu tempo e respeito os meus limites e desejos.

O que eu aprendi até agora?

Aprendi que ter paciência é a chave para o sucesso. E que a ansiedade é nossa inimiga número um, pois é ela que te agonia, que te faz acelerar as coisas, que faz com que você queira passar por tudo isso logo, acabar finalmente os tratamentos, e assim ela vai, te atropelando. Dessa vez estou tentando trabalhar bem a ansiedade, aliás, acho que comecei a aprender a lidar com ela há cerca de 6 anos atrás, e hoje, posso dizer que tento controlá-la ao máximo.
Aprendi também a me respeitar acima de tudo.  Aprendi a ouvir o meu silêncio, o silêncio da minha alma, do meu interior, da minha paz interior. O silêncio interior gera o sentimento de confiança, equilíbrio e de paz, que só pode ser encontrada no interior de cada um de nós. Eu preciso do silêncio comigo mesma. Este é meu câncer, meu carma, minha vida, minhas descobertas, meu momento de crescer e aprender, minha evolução pessoal, meu momento de reflexão, superação e renovação, meu momento de ter mais fé e ser mais forte. É difícil explicar o que estou passando ou sentindo. Uma hora você está feliz, meia-hora depois triste, depois chora, depois ri. A gente vive em altos e baixos, dias bons e dias ruins. Há dias que não se tem vontade de dizer uma palavra, ou ver ninguém, nem se olhar no espelho. E eu me respeito.
Desta vez quis ficar mais reservada, viver o que eu tinha que viver comigo mesma. Resolvi me preservar mais e não expor para muitos o retorno da minha doença. Porém, agora, me sinto mais à vontade em lidar com a situação e acredito que a informação deve ser passada, para principalmente, alertar mais mulheres sobre o câncer de mama e o risco de recidivas. Quanto mais a notícia corre, mais pessoas podem se prevenir desse mal.
Aprendi que a família é nosso maior tesouro. São eles que estão ali do seu lado, dia e noite, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. Não tenho palavras para expressar meu sentimento de gratidão e alegria ao ter meu marido, meus pais e irmãos ao meu lado sempre, todos se revezando para estarem comigo nos pós-químios, mudando suas rotinas. E aproveito para agradecer também o carinho e preocupação de minhas tias e primas em especial, que não deixaram de enviar palavras de apoio e carinho, além de algumas pessoas amigas e parentes muito queridos.
Aprendi que existe amor ao próximo. Aprendi que existem pessoas que nem te conhecem ou que acabaram de te conhecer, e que, com o coração cheio de amor, fazem orações, desejam e nos oferecem suas melhores energias, e ainda nos presenteiam com gestos e palavras de carinho, demonstrando que ainda existe amor no mundo.
Aprendi também que tudo passa. Que os momentos ruins vão virar momentos de aprendizagem e os bons virarão boas lembranças. E que por mais que esteja difícil hoje, amanhã pode ser melhor. Vamos dar tempo ao tempo.
Aprendi que temos o livre arbítrio todos os dias e que podemos escolher sofrer com a dor ou sentir dor sem sofrer. Pois “a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional”. Escolhi não sofrer. Mas tem dias que eu digo sim: FODA-SE! Vou gritar, vou chorar e FO-DA-SE!
Aprendi a me desprender de coisas e pessoas que não me acrescentam, a me aborrecer menos e viver mais. Viver o que eu gosto de viver, curtir quem eu amo e o que amo, fazer as coisas que eu mais gosto na vida. Pois já temos muitos problemas que não podemos escolher viver, o que se resume naquela velha frase: “o segredo da felicidade é escolher a comédia e largar o drama”. O drama já existe, não? Então, vamos sorrir!

Conselho para evitar uma recidiva?

Tenha atenção! A qualquer sinal diferente em seu corpo, procure seu médico. Nódulo sólido, como no meu caso, principalmente. Procure verificar o que está diferente no seu corpo e investigue sempre. Se eu pudesse voltar um pouco, talvez tivesse pedido para minha mastologista retirar o nódulo enquanto ele ainda era suspeito de ser apenas um lipoma. Não sei se adiantaria alguma coisa, mas temos que correr antes dele. E não podemos esquecer que cada caso é um caso. Então, apenas fiquem de olho atento!

Por enquanto, sigo para minha última químio (12ª de taxol), que vem de presente de aniversário, dois dias antes de eu completar meus 36 anos. Ainda vai ter radioterapia e hormonioterapia. Mas acho que de químio, tá bom, né?
Ainda continuo odiando a touca hipotérmica, mas não dá pra desistir no final, os primeiros cinco minutos de dor passam rápido e está valendo à pena no sentido de que ainda tenho uns 50% fios de cabelo na cabeça. E ainda é melhor deixar o cabelo encher (ter volume) novamente do que deixar crescer a partir de uma cabeça careca. Mas se você não está a fim de se sentir incomodada durante as químios, não liga tanto assim para os cabelos, vai agüentar ver o cabelo crescer ou se quiser se sentir mais livre, não use a touca. Mas se você não quiser ficar careca e acha que suporta tranquilamente estes minutinhos de incômodo durante as sessões, use a touca. Eu recomendo.

Nas fotos estou usando a touca durante a QT, ganhando beijo da mami, depois mostro como a touca fica congelada e como está meu cabelo molhado em cima. Inclusive já está mais ralo que isso, e branco, cheio de fios brancos.

Por aqui continuamos em busca de paz, de uma vida mais saudável e ao mesmo tempo sustentável, para ter mais saúde e viver mais. No mais, ando muito cansada. Mas sei que passa. Vou respeitar meu tempo.

14 comentários:

  1. Parabéns, Amanda, pelo fim da quimio. Dia 30, faço a minha última, se Deus quiser! Muitas energias boas saúde para nós!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Não é fácil a descoberta, o tratamento, as reações pós tratamento, então não quero nem imaginar lidar com a recidiva, que todos nós temos chances de um dia ter que enfrenta-lo novamente, se bem que, eu acho que depois que esse maldito entra na nossa vida, nunca mais conseguimos deitar tranquilamente sem pensar nele, por outro lado foi através dele que hoje tenho a qualidade de vida que busquei a anos com pensamentos e pessoas certas ao lado.
    Força, foco e FÉ!! Você vai vence-lo novamente e quantas vezes for preciso...

    ResponderExcluir
  4. Vc me emociona, prima. Feliz por ter terminado suas quimios. Sua cura é certa. Te amo!

    ResponderExcluir
  5. Acredito que a recidiva/ metastase ocorre sempre. Umas muito mais tarde quando teremos morrido de velhice ou outra coisa. Essa é a doença, produzir tumores. Lidamos com células microscópias que estão doentes e quem pode jurar por Deus que uma QT ou radio ou hormonoterapia acabou com todas?
    É claro que o ideal é que o período de remissão seja o maior possível. Vivemos igual quem tem Hepatite C, torcendo para ela não se desenvolver.
    Por isso, não adianta ter medo. Tem que fazer como a Amanda, catar os pedaços e seguir a vida. Não é castigo é uma doença.
    Acho que o importante é isso, aceitar-se como portador de uma moléstia grave ( palavras usads no IR) e seguir observando e interpretando os sinais do nosso corpo. Medo é bobagem.
    Querida Amanda, siga seu tratamento, na esperança que haverá uma remissão super longa e que nesse período a vida deve ser normal e os planos devem ser realizados. Eu torço todos os dias por isso para mim e para você. Beijos Bia

    ResponderExcluir
  6. Estou muito impressionado com a sua superação e me faz renovar a motivação que tenho a passar as minhas pacientes.

    ResponderExcluir
  7. Há dois meses fui diagnosticada com esta doença. Que triste!!! Sinto-me refém. Segunda-feira retornarei ao hospital para fazer a minha segunda sessão de quimioterapia. Peço forças a Deus para conseguir ir até o fim do tratamento. São enjoos, noites mal dormindo as, e como se não bastasse, queda do cabelo. Como estou sofrendo com esta perda! Mas Deus é maior que todo este sofrimento que passamos. Sairemos mulgeres melhores desta situação!

    ResponderExcluir
  8. Há dois meses fui diagnosticada com esta doença. Que triste!!! Sinto-me refém. Segunda-feira retornarei ao hospital para fazer a minha segunda sessão de quimioterapia. Peço forças a Deus para conseguir ir até o fim do tratamento. São enjoos, noites mal dormindas, e como se não bastasse, queda do cabelo. Como estou sofrendo com esta perda! Mas Deus é maior que todo este sofrimento que passamos. Sairemos mulheres melhores desta situação!

    ResponderExcluir
  9. A OncoExpress é uma empresa que comercializa medicamentos especiais que tem como conceito a excelência na prestação de serviço com dedicação, agilidade, segurança e qualidade.

    Com o objetivo de facilitar a aquisição de medicamentos especiais, a OncoExpress cumpre o papel de ser uma peça fundamental no tratamento, atendendo a necessidade da Classe Médica, que é a garantia da qualidade de vida para seus pacientes.

    Atendemos todo o território nacional, dispensando e entregando nos locais onde nossos clientes desejam receber. Nosso estoque é climatizado, seguindo as normas de boas práticas de armazenamento e acondicionamento, garantindo a qualidade dos produtos que comercializamos.

    Comprar agora ficou mais fácil! Ligue e faça seu orçamento sem compromisso!

    Nosso horário de funcionamento é de 2ª a 6ª feira das 8:00 hs às 18:00 hs e nossa central de telemarketing estará prontamente disponível para receber sua ligação.

    CONTATOS PELO TELEFONE

    (11) 3569-9648

    ResponderExcluir
  10. Olá Amanda! Ótimo seu blog!
    Amanda tenho uma dúvida e se vc puder me ajudar, agradeço! Há queda de cabelo durante o tratamento com o Taxol?
    Obrigada querida! E vamos em frente!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá Amanda!Estou em tratamento contra o HER-2 positivo. É engraçado mais a pior parte pra mim foi enfrentar a perda do cabelo. Tentei a touca porém no meu caso não fui feliz com a combinação Adriblastina + Genuxal, o meu cabelo despencou no 18 dia. A minha amiga faz uso do Caelyx assim como você e teve um resultado satisfatório. Enfim tenho 2 toucas novas em Goiania. Quem tiver interesse tattiussa@hotmail.com

    ResponderExcluir
  12. Parabéns Amanda, estou emocionada com seu blog. Hj estou mais sensível pq enchi o expansor e sinto aquelas dores, que vc tbm vivenciou e aí ficamos mais reflexivas nesses dias, não é?!
    Fiquei curiosa sobre essa toca? Que toca é essa? Como ela funciona?
    Espero que esteja tudo correndo bem no seu tratamento! Boa sorte e fique com Deus! Beijoa

    ResponderExcluir
  13. Parabéns Amanda, estou emocionada com seu blog. Hj estou mais sensível pq enchi o expansor e sinto aquelas dores, que vc tbm vivenciou e aí ficamos mais reflexivas nesses dias, não é?!
    Fiquei curiosa sobre essa toca? Que toca é essa? Como ela funciona?
    Espero que esteja tudo correndo bem no seu tratamento! Boa sorte e fique com Deus! Beijoa

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário aqui: